Conhecendo o templo

São muitas as razões pelas quais uma pessoa deve desejar ir ao templo. Até mesmo sua aparência externa parece sugerir propósitos profundamente espirituais. Isso é ainda muito mais evidente dentro do templo. Em sua fachada, lemos o tributo: “Santidade ao Senhor”. Quando entramos em um templo dedicado, estamos entrando na casa do Senhor. Na Igreja construímos vários tipos de edifícios. Neles nós adoramos, ensinamos, realizamos atividades recreativas e nos organizamos.

Podemos organizar estacas, alas, missões e quóruns e Sociedades de Socorro nesses edifícios ou mesmo em salões alugados. Mas ao organizarmos as famílias de acordo com a ordem revelada pelo Senhor, nós o fazemos nos templos. O casamento no templo, a ordenança de selamento, é a maior bênção que podemos receber no templo sagrado. No templo, os membros da Igreja que se provaram dignos podem participar das mais sublimes ordenanças de redenção que já foram reveladas à humanidade. Ali, numa cerimônia sagrada, o indivíduo é lavado, ungido, instruído, investido e selado. E, depois de receber essas bênçãos, pode oficiar em lugar dos que morreram sem ter tido a mesma oportunidade. No templo, as ordenanças sagradas são realizadas tanto para os vivos quanto para os mortos. Aqui está a pia batismal, onde são realizados os batismos vicários pelos mortos, nos quais membros dignos servem de procuradores para aqueles que já faleceram.

“Venham ao templo”. Se não agora, venham logo. Orem fervorosamente, coloquem sua vida em ordem, economizem o quanto puderem na esperança de que esse dia chegue. Comecem hoje mesmo a jornada do arrependimento, que algumas vezes, pode ser muito difícil e desalentadora. O templo transforma a pessoa e torna extremamente válidos todos os esforços feitos para nele entrarmos. Para alguns que moram muito longe de um templo, novos templos serão construídos perto deles antes que consigam ir ao templo. Tenham fé, esperança e a determinação de entrar no templo, decidam que serão dignos e que entrarão no templo.

A leitura cuidadosa das escrituras mostrará que o Senhor não revelou todas as coisas a todas as pessoas. Existiam requisitos prévios para o recebimento de informações sagradas. As cerimônias do templo estão incluídas nesta categoria. Não conversamos sobre as ordenanças do templo ao sairmos de lá. Nunca, porém, foi pretendido que suas cerimônias se limitassem a um grupo restrito de pessoas que se comprometesse a evitar que outros tivessem conhecimento delas. Na verdade, o que acontece é o oposto.

Empreendemos grandes esforços para incentivar todas as pessoas a se qualificarem e prepararem para a grande experiência de entrar no templo. Aqueles que já o fizeram aprenderam que, um dia, toda alma vivente e todas aquelas que já passaram por esta Terra, terão oportunidade de ouvir o evangelho e aceitar ou rejeitar o que o templo oferece. A rejeição dessa oportunidade deve partir do próprio indivíduo. As ordenanças e cerimônias do templo são simples. São muito belas. São sagradas. São mantidas em segredo para não serem transmitidas a pessoas que não estejam preparadas. A curiosidade não é uma preparação. O interesse profundo, em si, também não é uma preparação. A preparação para as ordenanças necessárias inclui passos preliminares: fé, arrependimento, batismo, confirmação, dignidade e maturidade a quem entra como convidado na casa do Senhor.

Precisamos estar preparados antes de entrarmos no templo. Precisamos ser dignos antes de entrarmos no templo. Existem restrições e condições estabelecidas. Elas foram estabelecidas pelo Senhor e não pelo homem. E o Senhor tem todo o direito e autoridade para ordenar que os assuntos relacionados ao templo sejam mantidos sagrados e confidenciais. Todos os que são dignos e se qualificam sob todos os aspectos podem entrar no templo para realizar os ritos e ordenanças sagrados.

Pela primeira vez…

Se estiver entrando no templo pela primeira vez, é normal que fique um pouco ansioso. Geralmente ficamos ansiosos diante de algo desconhecido. Freqüentemente ficamos nervosos em relação a experiências novas. Fique tranqüilo. Você esta indo para o templo. Alguém irá auxiliá-lo a cada passo. Você será cuidadosamente orientado. Não se preocupe. Quando entramos no templo devemos ser reverentes. Todas as conversas necessárias devem ser feitas em voz baixa. Nos períodos de instrução, evidentemente, devemos manter total silêncio e reverência.

Atualmente existem poucos lugares que oferecem oportunidade para se meditar em tranqüila reverência. Em alguns templos, antes de entrarmos para começar o trabalho de ordenança, o grupo freqüentemente é reunido na capela do edifício. Ali, os membros esperam até que todo o grupo se tenha reunido. Geralmente ficamos impacientes na vida quando temos de esperar. Em outras situações, sermos os primeiros a chegar e depois termos que esperar até que o último entre antes de podermos prosseguir é algo que causa irritação. No templo, acontece justamente o oposto. A espera é considerada uma excelente oportunidade.

Que privilégio é poder sentar-nos tranqüilamente, sem conversar, e voltar a mente para pensamentos reverentes e espirituais! É algo que revigora a alma. Quando for ao templo, lembre-se de que é um convidado na casa do Senhor. Será um momento de alegria, mas uma alegria tranqüila. Muitas vezes, num casamento no templo, é necessário lembrar aos parentes e amigos que sua expressão de amor e felicitações e seu modo de cumprimentar os familiares que não vêem há muito tempo devem ser feitos de modo muito calmo e em voz baixa. Falar ou rir alto não é condizente com a casa do Senhor. Aceite a orientação dos oficiantes do templo. Alguém irá guiá-lo a cada passo.

Antes de caminhar…

Eu sou apaixonado pelas escrituras e pelas palavras sábias e diretas do profeta Joseph!

Antes de ir ao templo pela primeira vez, ou mesmo depois de ter ido muitas vezes, é proveitoso saber que os ensinamentos do templo são transmitidos de maneira simbólica. O Senhor, o Mestre dos Mestres, ensinou muito por meio de linguagem simbólica. O templo é uma grande escola. É uma casa de instrução. O ambiente mantido ali é ideal para o aprendizado de assuntos profundamente espirituais. O falecido Dr. John   A. Widtsoe, do Quórum dos Doze, foi um renomado presidente de universidade e um estudioso conhecido no mundo inteiro. Tendo grande reverência pelo trabalho do templo, ele disse, certa vez:

As ordenanças do templo abrangem todo o plano de salvação, conforme ensinado de tempos em tempos pelos líderes da Igreja, elucidando questões de difícil compreensão. Para ajustar os ensinamentos do templo ao grande plano de salvação, não são necessários desvios ou distorções. A perfeição filosófica da investidura é um dos grandes argumentos a favor da veracidade das ordenanças do templo. Além disso, uma pesquisa e exposição tão completas do plano do Evangelho fazem da adoração no templo um dos métodos mais eficazes de se reavivar a memória em relação a toda a estrutura do evangelho. Há outra coisa que sempre me impressionou como uma forte evidência interior da veracidade do trabalho do templo. A investidura e o trabalho do templo como foram revelados pelo Senhor ao Profeta Joseph Smith (…) dividem-se claramente em quatro partes distintas: As ordenanças preparatórias, as instruções fornecidas por palestras e representações; os convênios; e, por fim, os testes de conhecimento. Duvido que o Profeta Joseph, sem nenhuma instrução ou treinamento em lógica, pudesse ter feito sozinho com que essas coisas fossem tão logicamente completas.

Mormons famosos!

Você sabia que muita gente que você não tem ideia é Mormon e pratica a religião diariamente?

O vocalista do The Killers, Brandon Flowers, o vencedor do Oscar Dean Jagger, o governor do estado de Michigan George Romney, o jogador de basquete  Danny Ainge e muitos outros!

Se você quer ficar por dentro de quem é mormon e estrar pra essa conde, confere esse link aqui?

Fonte: Famous Mormons! You’ll never guess… | All About Mormons

O que as escrituras dizem sobre a riqueza

Existem muitas escolas moralistas que tratam a questão do dinheiro e da riqueza como sendo algo amaldiçoado, principalmente as cristãs, que adoram entender mal a palavra do grande mestre fora do contexto original. Prosperidade e conforto nem de longe foram coisas mal ditas pelo Mestre, mas as pessoas adoram escolher atalhos de raciocínio para tirarem suas próprias conclusões. Pretendo aqui elucidá-las a respeito da opinião do grande profeta.

Aos homens que seguirem o caminho de Deus, a eles deve ser oferecidas as maiores regalias e todas as facilidades que lhes couberem para que mantenham a fé e desenvolvam as habilidades para espalharem ainda mais as palavras e a missão do nosso senhor Jesus Cristo sobre a terra.

Luxo não é luxúria e conforto não é preguiça

As melhores carnes servidas com os molhos mais ricos, repleto de especiarias… os ornamentos de ouro e prata, encrustadas com as mais preciosas pedras… as ferramentas mais caras para a solução de todas as dificuldades… as casas de luxo mais seguras e bem feitas para trazer a calmaria e a tranquilidade que a família necessita… os vinhos mais caros para que a diversão recupere as energias gastas…

Existe uma grande diferença entre luxo e luxúria. O primeiro refere-se à exclusividade, ao tratamento diferenciado que aqueles que são da ordem do senhor merecem por dedicarem a sua vida a uma causa tão nome quanto a disseminação da palavra! Meritocracia! Se o teu propósito é valioso, há de receberes o que é valioso. Se o teu propósito é mundamo e vil, há de receberes o que há de mais mundano e vil. Muitos chamam isso de Karma, mas na Igreja preferimos chamar isso da vontade de Deus. É dessa maneira que ele apresenta a sua justiça.

Por isso que os grandes templos são cobertos de ouro e joias. Por isso os sacerdotes de todas as igrejas possuem posições de destaque, roupas maravilhosas, uma vida de luxo e conforto sem que precisem se preocupar com absolutamente nada a não ser espalhar a palavra. Há de haver alguém que cozinhe para ele, sirva sua comida, ajeite sua casa, limpe seus ambientes, zele pelo bem estar de sua família… Os grandes mestres da Igreja Mórmon são tratados com tudo que há de bom e de melhor nesse mundo e assim o fazemos com grande satisfação e alegria. Queremos que essas pessoas tenham menos preocupações e mais tempo livre possível para compartilhar ainda mais sabedoria da sua interpretação das palavras do Senhor.

Dinheiro, fama, riqueza, especiarias… possuir essas coisas não pode ser e não é nenhum pecado. A questão está para o uso que se faz de todos esses materiais. Como pode um uso e um propósito nobre e valioso ser punido por possuir ferramentas que a permitem executá-lo? Não faz sentido. Não é o que Deus queria que acontecesse entre os seus súditos e seus discípulos. O bom trato dado aos sacerdotes faz com que outras pessoas se espelhem nos grandes homens e tentem trilhar um caminho ainda mais aprofundado dentro da palavra de Deus.

Enfim, riqueza e luxo não existem a toa, também não são para qualquer um. Mas, graças a Deus, os meus sacerdotes estão muuito bem de vida!